quarta-feira, 14 de julho de 2021

O estilo de Chris Squire - Parte 2


Olá Pessoal!

Voltamos nesta semana para a segunda parte da coluna sobre o baixista do Yes, Chris Squire.

Christopher Russell Edward Squire, (Londres, 4 de março de 1948) foi um músico famoso por seu trabalho como baixista da banda de rock progressivo Yes, da qual foi co-fundador e único membro constante até a sua morte. 
Dono de uma técnica de palheta precisa e um timbre inconfundível, Chris Squire impressiona também pelo uso de ritmo com síncopes, frases muito rápidas e linhas complexas sobre compassos alternados. Outra característica do baixista são as frases que criam uma espécie de contraponto com os outros instrumentos. É muito interessante estudar não só a parte motora das linhas, mas também a relação com os outros instrumentos.
Durante a década de 80 o som do Yes mudou muito, e isso se deve em grande parte ao fato de Chris Squire adaptar as suas linhas de Baixo a um som mais voltado para o Pop, mesmo assim podemos encontrar algumas linhas complexas para este estilo de música. 

Roundabout


Esta linha pode ser considerada como a frase de Contrabaixo mais marcante do Rock Progressivo. Ela serve como ponte e base de voz da música Roundabout que está no álbum “Fragile”. Ela ocorre por volta de 0'48" e se repete várias vezes durante a música. 
A frase foi criada sobre a escala de E menor e se repete independente dos acordes que ocorrem, sendo esta uma ideia bem interessante e recorrente nas composições da banda, de uma certa forma, o baixista faz a frase com a escala da tonalidade do trecho. Ela requer um pouco mais de técnica do baixista que irá executá-la, pois são utilizados abafados e ligados em um andamento alto.


Siberian Khatru


Este trecho corresponde a segunda parte do refrão e ocorre por volta de 1'35". Atente para os contratempos existentes neste trecho, executá-los corretamente é importante para perceber os deslocamentos que o baixista fazia em suas linhas. A frase foi construída com a fundamental, a quinta e a sétima do acorde de E menor nos dois primeiros compasso e Squire repetiu os mesmos intervalos em F# menor só que inverte o arpejo. Esta música pertence ao álbum “Close To The Edge”.


Sound Chaser


Esta música pertence ao álbum “Relayer” e talvez seja uma das mais difíceis de se executar do Yes. O andamento é alto (156bpm) e as frases são feitas sobre semicolcheia. A frase escolhida foi construída sobre um acorde de D7 e ocorre por volta de 1'04". Reparem que as notas mudam a cada três semicolcheias e a frase ainda contem salto de cordas, esta frase requer muita paciência do estudante já que para executá-la como o baixista, serão necessárias muitas horas de treino.


South Side of the sky


Esta música está no álbum “Fragile” e selecionamos o refrão para exemplificar uma das ideias do baixista. Nesta parte Squire utiliza o arpejo de F#m descendente e depois constrói uma frase sobre a pentatônica do mesmo tom, repare que o baixista só utiliza a fundamental grave na última nota da frase, uma característica presente em várias músicas do Yes. Nos compassos 4 e 5, a mesma ideia é utilizada só que em G#m. Este trecho ocorre por volta de 0'51".


Starship Trooper


Esta música pertence ao “Yes Album”. Neste exemplo temos um interlúdio que funciona como um pequeno solo de Squire, que ocorre por volta de 1'31". A tonalidade é E Maior e apesar do trecho conter acordes que não pertencem a esta tonalidade, a música não muda de tom. Nos dois primeiros acordes temos o uso de tríades. No acorde de Am temos o uso da nona e no quarto e quinto compassos temos uma frase sensacional do baixista para finalizar na fundamental do acorde no sexto compasso.


Wonderous Stories


Esta música pertence ao álbum “Going For The One”. O trecho a seguir corresponde a preparação pra entrar no último refrão. A música está na tonalidade de E maior e o acorde que abre esta preparação é Dm, que não pertence à tonalidade. A frase é feita em cima da escala de D menor, e finalizada na fundamental do próximo acorde (A), na segunda vez o baixista utiliza a mesma ideia, aumentando a velocidade da frase e o A do sétimo compasso é uma preparação para entrar no refrão.


Your is no Disgrace


Esta música pertence ao “Yes Álbum”. O trecho transcrito corresponde a parte da segunda voz e ocorre por volta de 1'31". A construção da linha é muito próxima ao walking bass de Jazz. No primeiro compasso Squire faz a escala de D maior descendente até chegar na terça do acorde de E (G#), neste acorde ele usa a pentatônica assim como no próximo acorde, uma ideia bastante interessante ocorre no final deste compasso, quando ele antecipa a fundamental do próximo acorde (C).


Espero que gostem e principalmente, estudem estas linhas de contrabaixo do Chris Squire. Ele foi um dos grandes nomes do nosso instrumento e possuía uma criatividade e técnica impar.
Um abraços e até a próxima semana!

2 comentários:

Alexandre Gomes disse...

Squire deixou o DNA dele nas linhas de baixo nada convencionais. Materia show Fernando parabéns !!!

femtavares disse...

aeh ALexandre!
Squire é muito bom.. deu uma olhada na primeira??
Obrigado por acompanhar e grande abraço!