quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Suck My Kiss - Red Hot Chili Peppers

Olá pessoal!

Nesta semana temos a transcrição da música Suck My Kiss do Red Hot Chili Peppers, disponibilizada para todos os leitores do blog.

Esta transcrição faz parte de um acervo de mais de 1000 transcrições para contrabaixo disponível para os alunos do meu curso de Contrabaixo presencial e on line.

Abaixo o link da tablatura!



Bons estudos!

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Estudo 10 - Tétrades

Olá Pessoal!
No estudo 10 temos a tétrade como principal elemento harmônico. A tétrade é formada pelo empilhamento de três terças sobrepostas, formando intervalos de T, 3, 5 e 7. Existem 7 tipos diferentes de tétrades, sendo que eu considero de extrema importância o conhecimento de 4 delas, a Maior com sétima maior (grafada em dó como C7M, e na grafia americana como Cmaj7), a Maior com sétima menor (também conhecida como Dominante e grafada como C7), a Menor com sétima menor (grafada como Cm7) e a meio diminuta (grafada como Cm7(b5)).
No primeiro exemplo temos um estudo em semínimas utilizando estas tétrades, se você quiser pode trocar o Bm7 que aparece no último compasso por um Bm7(b5). No segundo exemplo temos as tétrades tocadas em colcheia, este é um ótimo estudo de arpejos.


Na segunda página temos aplicações de frases de passagem com as tétrades.



E aqui está o link com o playback
27. Track 27.mp3

Um abraço e até a próxima!

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Bass Player Brasil - Edição 39 - Glenn Hughes

Olá pessoal!

Já está nas bancas a nova edição da Revista Bass Player!


Nesta edição 39 além do meu trabalho mensal de editor didático, também fiz os exemplos da matéria de capa com o Glenn Hughes. Esta é mais uma daquelas matérias que me deixará orgulhoso pelo resto da minha vida. Sou fã do Hughes a muitos anos e dei uma geral na carreira dele mostrando como o seu estilo foi mudando conforme os anos.

Para acompanhar esta matéria também tem o vídeo no canal da Bass Player no Youtube.
Link do Vídeo:



Além do mais ocorrerá a troca de colunistas conforme todos já se habituaram, as colunas são feitas em grupo de 4 aulas e na edição #38 tivemos a última coluna dos excelentes músicos e professores: Zuzo Moussawer (improvisação), Fábio Dubaixo (two-hands), Ximba Uchyama (fusion) e as minhas colunas sobre contrabaixo de 6 cordas, logo mais os colunistas voltarão para continuar suas colunas.

A partir da #39 temos de volta os colunistas:
Edilson Hourneaux - Luthieria (Arte & Manhas)
Cleiton Satiro - ABC do Baixo
Andrés Zúñiga - Harmonia Modal
Davi Motta - Slap
Benjamin 'BJ' Bentes - Jazz
Alex Rocha - Contrabaixo Acústico

Obrigado à todos os colaboradores pelo ótimo trabalho.

Em dezembro nas bancas!
http://www.mbassplayerbrasil.com.br/dezembro2014

Adquira a edição do mês sem custo de frete em:
https://www.editoramelody.com.br/bp/?area=anteriores

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Jeff Berlin

Nascido em 17 de Janeiro de 1953 em Long Island, NY. Jeff Berlin é um dos maiores virtuoses do Contrabaixo Elétrico e é considerado um dos maiores nomes do Jazz-Rock/Fusion, dono de uma técnica espetacular, possui profundo conhecimento sobre harmonia e improvisação, também domina as técnicas de Slap e Two Hands, as quais utilizou no início de sua carreira.
Seus pais eram músicos e iniciou sua carreira musical aos nove anos tocando violino, aos 14 decidiu tocar contrabaixo tendo como principal influência o baixista Jack Bruce (Cream), Berlin desenvolveu sua carreira em Nova York durante os anos 70 tocando com Allan Holdsworth e Tony Willians. Em 1975 gravou na Europa o disco “Story of I” com o tecladista Patrick Moraz (Yes) e voltou a seguir para Nova York e passou a trabalhar como músico de estúdio e sideman. A lista de músicos com quem o baixista trabalhou é extensa, mas podemos citar seu trabalho nos discos solos do baterista Bill Bruford (Yes, Genesis e King Crimson), com Herbie Man, com Allan Holdsworth, com o projeto Anderson-Bruford-Wakeman-Howe entre outros. Iniciou sua carreira solo em 1985 com o álbum “Champion” lançando diversos álbuns durante os anos 2000, lançou também duas vídeo aulas.

No exemplo 1 temos um trecho da música “Bach”, este é um ótimo exercício para pedal Point.


No exemplo 2 temos uma sequencia de Arpejos bem legais extraídos da mesma música.
Esta música foi publicada por mim em várias revistas e sites, de uma “vasculhada” pela net, não será difícil achar a transcrição completa.


No exemplo 3 temos um dueto feito por Jeff Berlin e o guitarrista Allan Holdsworth na música Road Games.


No exemplo 4 temos o tema principal da música Joe Frazier (Round Two).


Discografia
Álbuns indicados para audição vêm com um * antes.

Álbuns como Artista Solo
1985 Jeff Berlin & Vox Humana - Champion
*1986 Jeff Berlin - Pump It!
1997 Jeff Berlin - Taking Notes
1998 Jeff Berlin - Crossroads
*2000 Jeff Berlin - In Harmony's Way
2004 Jeff Berlin - Lumpy Jazz
2006 Jeff Berlin - Aneurythms/Ace of Bass
2010 Jeff Berlin - High Standards

Álbuns como Sideman ou como Integrante da banda
1976 Patrick Moraz - The Story of!
1976 Esther Phillips - Capricorn Princess
1976 Patti Austin - End of a Rainbow
1976 David Matthews with Whirlwind - Shoogie Wanna Boogie
1976 Gil Evans - Tokyo Concert
1977 Ray Barretto - Eye of the Beholder
1977 David Liebman - Light'n Up, Please!
1977 Ernie Krivda - Satanic
*1977 Bill Bruford - Feels Good to Me
1977 Pee Wee Ellis - Home in the Country
1978 Don Pullen - Montreux Concert
*1979 Bill Bruford - One Of A Kind
1980 Bill Bruford - Gradually Going Tornado
1980 Bill Bruford - Bruford Tapes
1980 Poussez! - Leave That Boy Alone!
1980 Passport - Lifelike
1980 David Sancious - Just as I Thought
*1981 Herbie Mann - Mellow
*1983 Allan Holdsworth - Road Games
1983 Janis Ian - Uncle Wonderful
1984 Clare Fischer - Crazy Bird
1985 Schumate-Reno Jazz Quintet - Hurricane
1986 Bill Bruford - Master Strokes 1978-1985
1986 T Lavitz - Story Time
*1987 Henderson-Berlin-Smith-Lavitz - Players
*1987 Kazumi Watanabe - The Spice of Life
1988 Kazumi Watanabe - The Spice of Life Too
1989 KD Lang - Even Cowgirls Get The Blues
1990 Pete Levin - Solitary Man
1993 Anderson-Bruford-Wakeman-Howe - An Evening of Yes Music Plus
1994 Nathan Cavaleri Band - Nathan
1995 Richie Kotzen - The Inner Galactic Fusion Experience
1995 Michael Zentner - Playtime
1996 T Lavitz - Gossip
2000 Richard Davies - Barbarians (Bateria)
2001 Herbie Mann - Mellow/Hold On, I'm Coming
2001 Klaus Doldinger - Works & Passion
2002 Herbie Mann - Best of the Atlantic Years
2002 Twinemen - Twinemen
2002 Various Artists - Grand Theft Auto: Vice City (Soundtrack)
2002 Yes - In a Word
2004 Richard Drexler - Señor Juan Brahms
2004 Catie Curtis - Dreaming in Romance Languages (Bateria)
2004 Weepies - Happiness (Bateria)
2004 Novocento - Featuring...
2006 Bow Thayer - Maintenance for Mood Swings (Bateria)
*2006 Chambers-Berlin-Fiuczynski-Lavitz - Boston T Party
2006 Richie Kotzen - Instrumental Collection: The Shrapnel Years
*2006 Billy Cobham - Drum N Voice 2
2007 Paddy Saul - One Town Tasted
2008 Meg Hutchinson - Come Up Full
2008 Erica Wheeler - Good Summer Rain (Bateria)
2009 Bill Bruford - Best of Winterfold
2010 Meg Hutchinson - The Living Side
2010 Dann Glenn - Eleven Eleven Orchestra Ace of Bass King

Videografia
2000 Jeff Berlin - Star Licks (VHS)
2006 Jeff Berlin - Mel Bay Bass Logic (DVD)
2007 Bill Bruford - Rock Goes To College (DVD)

Bons estudos, um abraço e até a próxima!

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Estudo 9 - Pentatônicas

Olá Pessoal!

Neste estudo vamos utilizar a Pentatônica como elemento harmônico principal. A Pentatônica é a escala mais difundida em vários estilos, é importantíssimo conhecer esta escala e os seus modelos, se você não conhece a "Penta" vá atrás, estude a escala e tente utilizá-la.

Nos dois primeiros exemplos temos um estudo básico para você começar a utilizar a Penta, e nos outros dois modelos temos variações rítmicas e harmônicas com a escala.

Como disse antes, acho que o estudo da Penta é prioritário para qualquer aluno, este estudo tem que ser de fácil entendimento e aplicação, qualquer músico com um mínimo de teoria musical consegue aplicá-la, então estude a Penta e tente criar seus próprios licks.


Um abraço e até a próxima coluna!

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Limelight - Rush

Olá pessoal!

Nesta semana temos a transcrição da música "Limelight" da banda Rush!

Esta e um acervo de mais de 1000 transcrições são utilizados para estudos dos alunos do meu curso de Contrabaixo presencial e on-line!


Aqui está o link da transcrição


Para maiores informações, entre em contato pelo e-mail: femtavares@gmail.com

Bons estudos e até a próxima semana!

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Estudo 8 - Parte 2

Olá Pessoal!

Na segunda parte do estudo 8 temos as levadas de Pop Rock e Samba.

Na primeira página foram criadas variações sobre a levada de Pop Rock. Esta levada também é utilizada no R&B, e se tocada em um andamento mais lento temos uma balada.

No primeiro exemplo temos a levada básica e no segundo exemplo uma pequena variação no quarto tempo.No terceiro e no quarto exemplo temos variações harmônicas sobre as duas levadas, sendo que, no exemplo 3 temos variações utilizando 5ª e 8ª e no quarto exemplo variações com 5ª e 8ª e as passagens foram feitas utilizando escalas.


Na segunda página temos o samba como ritmo a ser estudado. Nos dois primeiros exemplos temos a levada básica utilizando tônica e 5ª no exemplo 1 e passagens com a escala no exemplo 2, nos exemplos 3 e 4 temos os mesmos elementos harmônicos utilizados em uma levada com uma pequena variação rítmica.


É isso aí pessoal, espero que vocês tenham curtido estas colunas sobre ritmos e até a próxima!

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Bass Player Brasil - Edição 38 - Nas bancas!

Olá pessoal!

Já está nas bancas a edição de Novembro da revista Bass Player Brasil!


Para aqueles que não sabem sou o Editor Didático da revista e nesta edição temos o fechamento do ciclo de 4 colunas dos assuntos abordados por nossos especialistas:

Zuzo Moussawer - Improvisação

Fabio duBaixo - Two hands
Fernando Tavares - Contrabaixo de 6 Cordas
Ximba Uchyama - Jazz-Rock/Fusion

Além das seções/colunas:
Arte & Manhas - Bruno Migliari - Produção
ABC do Baixo - Davi Motta - Técnica





Em novembro nas bancas!
http://www.bassplayerbrasil.com.br/novembro2014

Adquira a edição do mês sem custo de frete em:
https://www.editoramelody.com.br/bp/?area=anteriores


Abraços e Bons Estudos!

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Rush - Moving Pictures


Moving Pictures é o oitavo álbum de estúdio da banda, tendo sido lançado no ano de 1981 e pode ser considerado o álbum de maior sucesso do Rush. O álbum contém linhas de baixo repleta de variações como nas linhas construída no Pop Rock dos anos 80, mas também muitas linhas complexas inspiradas no Rock Progressivo da década anterior. Neste álbum existem músicas com mudanças constantes na fórmula de compasso e alguns solos (curtos, porém muito marcantes) de baixo em quase todas as faixas.
Procurei separar um exemplo de cada musica que exemplifique bem a ideia musical de cada faixa deste extraordinário álbum.


Este trecho é referente a base do solo de Guitarra, foi construído sobre a escala de E Mixolídio e com um padrão de terças invertido, e tem uma fórmula de compasso bastante utilizada pela banda (7/8), reparem que a primeira frase (os três primeiros tempos do compasso) se repetem novamente com pequenas variações rítmicas. O segundo e terceiro compassos são repetições do primeiro. No quarto compasso a frase é cortada para entrar a convenção do quinto compasso, por isso a fórmula pouco usual (7/16 e 3/8) nestes dois compassos. O trecho ocorre por volta de 1:58 e tempo é de 92bpm.


Este trecho ocorre por volta de 1:59 e é referente a base da voz. Este exemplo contém uma característica bem marcante do baixista. Ele cria a linha do baixo acentuando a frase da bateria nos compassos ímpares do trecho e utiliza diferentes frases nos compassos pares, esta ideia se repete nas bases de voz, e é utilizada em outras músicas como “Spirit of Radio” do álbum anterior e “The Camera Eye” neste álbum.
Nesta faixa o acento é feito sobre o bumbo da bateria e utiliza a Fundamental do acorde nos compassos 1, 3, 5 e 7. No compasso dois a frase é construída utilizando os intervalos de quinta e oitava do acorde de A11, no compasso 4 é utilizada a F, 6 e 7 do acorde de F#m6, no sexto compasso é utilizada a F, 5, 6 e 7M da escala de Sol e no oitavo compasso a 7M, F, 2 e 6 do acorde de Dsus2.


Neste primeiro exemplo temos a linha principal da música. Ela ocorre por volta de 0:43e foi construída com a Pentatônica Menor de cada acorde (F#m e Am), este trecho é muito rápido (semicolcheia em 144 bpm) e o baixista não utiliza notas ligadas. No terceiro tempo dos compassos ímpares temos uma mínima feita sobre a quinta do acorde e um sinal de vibrato em cima da nota. A dificuldade está no fato do baixista mudar a “Blue Note” de lugar entre as frases. Reparem que no primeiro compasso a “Blue Note” é feita sobre a 7ª maior do acorde e no segundo compasso é feita sobre a 4ª aumentada.


Aqui temos exemplificados os três pequenos solos de baixo que ocorrem na música, eles são feitos intercalados com pequenos solos de bateria. Todos os solos são feitos sobre o acorde de C. No primeiro solo temos uma frase sobre o arpejo de Csus2, preparando para o solo no segundo compasso. O solo é feito utilizando a escala de C Lídio, e é finalizado com um slide descendente sobre a 3ª e a 6ª do acorde, este trecho ocorre por volta (1:41).


No segundo solo temos um arpejo sobre Csus2 novamente preparando para o solo no segundo compasso, percebam que a frase é um pouco mais complexa neste trecho e o solo é feito utilizando a escala Pentatônica de Dó com uma Blue Note (Ab) no meio da frase. Este trecho ocorre por volta (1:55).


No terceiro solo (2:09) temos um compasso preparando para o solo nos dois compassos posteriores. O solo é feito sobre a escala de C Lídio com alguns cromatismos para as notas da escala, e é finalizado com harmônicos naturais sobre o 5º e 4º trastes nos dois últimos tempos.


Este trecho refere-se a introdução da música e utiliza a fórmula de compasso 7/4 na sua construção. O trecho ocorre em 0:12 e utiliza os intervalos de 5ª e 8ª para a construção da frase sobre os acordes de B5 e A5, para o acorde de E5 o baixista utiliza a Pentatônica de E Maior para construir a frase. Este trecho reaparece varias vezes durante a faixa.


Este exemplo é referente a base da voz que inicia-se em 3:36, e foi construída sobre as notas dos dois acordes (Csus2 e F). Reparem nos sinais de acentuação do trecho que fazem com que estes compassos (6/4 e 5/4) se tornem mais difíceis de se contar.


Este trecho inicia-se em 4:13, na parte final da música e contém um pequeno solo de contrabaixo. No primeiro compasso temos a frase construída com a Pentatônica de Bb maior, no segundo compasso são tocadas as fundamentais de cada acorde e no terceiro compasso temos uma frase sobre a escala de C menor, voltando a utilizar a fundamental no quarto compasso.


Este trecho é referente a introdução e a base de voz da música. Ele foi construído sobre a escala de C menor e possui duas frases diferentes. No primeiro compasso temos um frase construída com a F, 3ª menor, 5ª justa e 6ª menor, a frase é finalizada utilizando a 3ª menor, 6ª menor e 7ª menor. No segundo compasso a frase é montada com a mesma ideia do primeiro compasso, mudando a finalização da frase para os intervalos de 5ª justa, 4ª justa e 3ª menor.

Um abraço, bons estudos e até a próxima!

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Slap 06

Olá pessoal!

Nesta semana continuaremos a coluna de Slap, trabalhando agora com os slides. Esta técnica consiste em arrastar a mão pelo braço do instrumento fazendo a nota chegar o ponto em que está indicada até o fim do traço.

Exercício 1


Neste primeiro exercício temos uma ideia com slide utilizando a colcheia como célula rítmica.


Exercício 2


Neste exercício temos a mesma ideia que a anterior com uma variação na colocação do slide.


Exercício 3


Agora temos o slide seguido de um thumb e um pop.

Exercício 4


Neste exercício o slide é feito no pop.


Esta sequência pode ser praticada em cima da música “Allright” do Jamiroquai, apesar de a harmonia ser um pouco diferente as tônicas tocadas são iguais.

Vídeo


Pratique estes exercícios e tente aumentar a velocidade aos poucos, é muito interessante a sonoridade destas ideias quando tocadas em uma velocidade mais rápida.

Com esta coluna encerramos a primeira parte dos slaps, esta é uma técnica muito admirada e executada pelos baixistas, ela tem evoluído muito com o passar dos anos, mas é necessário conseguir tocar estes exercícios básicos antes de prosseguir para os exercícios mais complexos.

Procure estudar e tirar algumas músicas dos baixistas que utilizam esta técnica. A partir das próximas colunas estudaremos ideias mais complexas.

Abraços e até a próxima coluna!

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

I Saw Her Standing There - The Beatles

Olá pessoal!

Nesta semana temos a transcrição completa da linha de baixo da música "I Saw Her Standing There" dos Beatles.

Esta e outras transcrições fazem parte do material disponibilizado para os alunos do meu curso de Contrabaixo.


Segue aqui está o link da transcrição:

 

Abraços e Bons Estudos!

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Estudo 8 - Parte 1

Olá Pessoal!

Neste estudo 8 vamos começar a aplicar algumas ideias sobre outros estilos.

Na primeira parte temos aplicações de frases sobre a levada de colcheia, são quatro variações utilizando os elementos harmônicos que utilizamos nos sete estudos anteriores.

Faça as variações e tente criar as suas próprias linhas de baixo.


Na segunda parte temos a levada mais comum de Rock. Nos dois primeiros exemplos temos a mais simples e nos exemplos 3 e 4 temos uma pequena variação no quarto tempo. Os elementos harmônicos utilizados são os mesmos que os elementos dos estudos anteriores.


Um abraço e até a próxima coluna com mais levadas!

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Genesis - Selling England by the Pound

Selling England by the Pound

O Genesis foi formado na Inglaterra no ano de 1967, por Peter Gabriel (vocal, flautas, percussão e oboé), Mike Rutherford (contrabaixo, guitarra e cítara), e Tony Banks (órgão, guitarra, piano e teclado). Com aproximadamente 150 milhões de álbuns vendidos em todo o mundo, o Genesis é considerado um dos 30 maiores artistas de todos os tempos. A banda se destacou por mais de três décadas e é conhecida por duas fases musicais diferentes. Na fase inicial da carreira durante a década de 70, tornaram-se uma das bandas mais reverenciadas do Rock Progressivo por apresentar em seus trabalhos, estruturas musicais complexas, instrumentação elaborada e apresentações teatrais. Criações clássicas da banda nesse período incluem os álbuns "Nursery Crime", "Foxtrot" e "Selling England by the Pound" de 1973 que seria o primeiro disco a alcançar o mercado americano, sendo que desde então todos os álbuns da banda foram sucessos absolutos de vendas. A partir da década de 1980, sua música tomou um caminho distinto em direção ao pop, os tornando mais acessíveis para a cena musical.
O álbum analisado nesta coluna é “Selling England by the Pound”, composto de 8 faixas o álbum é rico em composição, elementos de música erudita, compassos alternados, duetos entre os instrumentos e longas seções instrumentais nas músicas, uma obra prima criada por cinco músicos geniais. Este disco conta com Steve Hackett (Guitarras), Phil Collins (bateria, percussão, backing vocal e vocal em "More Fool Me) além de Rutherford, Peter Gabriel e Tony Banks. O baixista inglês Mike Rutherford (nascido Michael John Cleote Crawford Rutherford em 2 de outubro de 1950 em Guildford, Surrey) além do Contrabaixo, toca neste álbum guitarra e cítara, então não estranhem partes das músicas em que não há contrabaixo. A linha de baixo de Rutherford é conhecida por ser bem construída e com grande base técnica e de inovação. As faixas que compõe o álbum são, "Dancing with the Moonlit Knight", "I Know What I Like (In Your Wardrobe)", "Firth of Fifth", "More Fool Me", "The Battle of Epping Forest", "After the Ordeal", "The Cinema Show", "Aisle of Plenty".

Análises


Dancing With a Moonlit Knight

A música abre o álbum em grande estilo, com vários trechos em contraponto, como a base da voz. A parte transcrita corresponde ao dueto de baixo e teclado que ocorre por volta de 4’59”. Preste atenção nas fórmulas de compasso, que mudam diversas vezes ao longo do trecho. Sem harmonia fixa, as frases são executadas em uníssono sobre a escala de G Maior, com alguns cromatismos nas passagens.


The Battle of the Epping Forest

A quinta faixa do álbum possui uma linha de baixo muito bem construída, com frases de difícil execução. Abaixo esta transcrito o trecho relativo à base de voz, que se inicia em 1’13”. A levada foi criada sobre uma fórmula de compasso pouco usual (7/4) e com base na escala de B maior. Esta frase é alternada com outras durante os momentos cantados.


I Know What I Like

Esta é a música mais conhecida do álbum. É simples, mas com refrão marcante e uma linha de baixo inteligente de Mike Rutherford. Nos dois primeiros compassos, o baixista utiliza a escala de A Mixolídio e, no terceiro e quarto, de D maior. Preste atenção nas síncopes.


Firth of Fifth

O trecho transcrito, que está na tonalidade de Bb , diz respeito a base do tema do teclado, que começa por volta de 4’33”. É preciso bom conhecimento de leitura musical para interpretá-lo, já que é usada uma fórmula de compasso difícil de ser entendida (13/16). O baixo executa diversas aproximações cromáticas com oitavas no segundo compasso.




Até a próxima semana e bons estudos!

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Revista Bass Player #37 - Charles Mingus

Olá pessoal!
Nesta semana saiu a nova edição da revista Bass Player Brasil, e quanto orgulho em ver na capa Charles Mingus, talvez o maior baixista de Jazz de todos os tempos.


Aqui temos mais informações sobre a revista
http://www.bassplayerbrasil.com.br/?area=edicoes

Para adquirir a edição do mês sem custo de frete vá em:
https://www.editoramelody.com.br/bp/?area=anteriores


Nesta edição coordenei a parte didática da revista e fiz a terceira parte da coluna sobre contrabaixo de 6 cordas.

Bons estudos para todos e que tenham um ótimo mês de outubro com Mingus como referência.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Slap 05

Olá pessoal!

Nesta semana continuaremos a coluna de Slap, trabalhando agora com o ligado ascendente. Este elemento de interpretação consiste em tocar uma nota com o auxílio da mão direita e somente com a mão esquerda tocar a segunda nota.

Exercício 1


Neste primeiro exercício temos um exercício com ligado utilizando a colcheia como célula rítmica.


Exercício 2


Neste exercício temos a mesma ideia que a anterior com uma variação na colocação do ligado.


Exercício 3


Agora temos o ligado seguido de um thumb e um pop.


Exercício 4


Neste exercício o ligado é feito no pop.


Esta sequência pode ser praticada em cima da música “Allright” do Jamiroquai, apesar de a harmonia ser um pouco diferente as tônicas tocadas são iguais.

Vídeo



Pratique estes exercícios e tente aumentar a velocidade aos poucos, é muito interessante estas ideias quando tocadas em velocidade mais rápida.

Abraços e até a próxima coluna!


quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Apostila de Jazz para Contrabaixo!

Apostila de Jazz para Contrabaixo!

50 Temas em Clave de Fá!

O livro contém material para contrabaixo elétrico, são 50 temas de Jazz, Bossa e Fusion.
As músicas foram escolhidas pelo autor através de anos pesquisando e tocando com diversos grupos durante sua carreira.
As transcrições estão no formato melodia (em clave de Fá) e cifra, e em algumas canções há também a Linha de Contrabaixo, ela tem a indicação ao lado da linha que pertence ao Contrabaixo.
Para adquirir o livro entre em contato via e-mail: femtavares@gmail.com , por mensagem In box no facebook ou pelo mercado livre.
http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-587352959-jazz-para-contrabaixo-50-temas-em-clave-de-fa-_JM


 


Abraços e bons estudos!

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Inca Roads - Frank Zappa

Olá pessoal!

Nesta semana temos a música "Inca Roads" do Frank Zappa, esta transcrição me levou alguns dias de trabalho, mas me valeu como um bom tempo de estudo, ela tem trechos muito interessantes, de uma olhada na partitura e veja as fórmulas de compassos inusitadas que o Zappa utilizava em suas músicas, vale também pela harmonia modal que serve como base harmônica para o solo de Guitarra.

Segue o link da tablatura!


Abraços e bons estudos!

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Bass Clinic Chris Squire - Parte 2

Christopher Russell Edward Squire, (Londres, 4 de março de 1948) é um músico famoso por seu trabalho como baixista da banda de rock progressivo Yes, da qual é co-fundador e único membro constante. Dono de uma técnica de palheta precisa e um timbre inconfundível, Chris Squire impressiona também pelo uso de ritmo com síncopes, frases muito rápidas e linhas matadoras sobre compassos alternados. Outra característica do baixista são as frases que criam uma espécie de contraponto com os outros instrumentos. É muito interessante estudar não só a parte motora das linhas, mas também a relação com o que os outros instrumentos estão fazendo.
Durante a década de 80 o som do Yes mudou muito, e isso se deve em grande parte ao fato de Chris Squire adaptar as suas linhas de Baixo a um som mais voltado para o Pop, mesmo assim podemos encontrar algumas linhas complexas para este estilo de música. Hoje em dia o baixista alterna os momentos virtuoses da década de 70 com o pop dos anos 80.

Roundabout


Esta frase pode ser considerada como a frase de Contrabaixo mais marcante de Rock Progressivo, e está no álbum “Fragile”. Ela ocorre por volta de 0:48 e se repete várias vezes durante a música. A frase foi criada sobre a escala de E menor e se repete independente dos acordes que vão ocorrendo, esta é uma característica marcante do Baixista. Ela requer um pouco mais de técnica do baixista que irá executá-la, pois são utilizados abafados e ligados numa velocidade alta.


Siberian Khatru


Este trecho corresponde a segunda parte do refrão que ocorre por volta de 1:35. Atentem para os contratempos existentes neste trecho, eles que dão todo o sentido a frase. A frase foi construída com a fundamental, a quinta e a sétima do acorde de E menor nos dois primeiros compasso e Squire repetiu os mesmos intervalos em F# menor só que inverte o arpejo. Esta musica pertence ao álbum “Close To The Edge”.


Sound Chaser


Esta música pertence ao álbum “Relayer” e talvez seja uma das mais difíceis de se executar do Yes. O andamento é alto (156bpm) e as frases são feitas sobre semicolcheia. A frase escolhida foi construída sobre um acorde de D7 e ocorre por volta de 1:04. Reparem que as notas mudam a cada três semicolcheias e a frase ainda contem salto de cordas, esta frase requer muita paciência do estudante já que para executá-la como o baixista, serão necessárias muitas horas de treino.


South Side of the sky


Música do álbum “Fragile”. O trecho a seguir corresponde ao refrão da música. Nesta parte Squire utiliza o arpejo de F#m descendente e depois constrói uma frase sobre a pentatônica do mesmo tom, repare que o baixista só utiliza a tônica grave na última nota da frase, uma característica presente em várias músicas do Yes. Nos compassos 4 e 5, a mesma ideia é utilizada só que em G#m. Este trecho ocorre por volta de 0:51.


Starship Trooper


Esta música pertence ao “Yes Album”. Neste exemplo temos um interlúdio da música que funciona como um pequeno solo de Squire, que ocorre por volta de 1:31. A tonalidade é E Maior e apesar do trecho conter acordes que não pertencem a esta tonalidade a música não muda de tom. Nos dois primeiros acordes temos o uso de tríades já no acorde de Am temos o uso da nona, no quarto e quinto compassos temos uma frase genial do baixista para finalizar na fundamental do acorde no sexto compasso.


Wonderous Stories


Esta música pertence ao álbum “Going For The One”. O trecho a seguir corresponde a preparação pra entrar no último refrão. A música está na tonalidade de E maior e o acorde que abre esta preparação é Dm, que não pertence à tonalidade. A frase é feita em cima da escala de D menor, e finalizada na fundamental do próximo acorde (A), na segunda vez o baixista utiliza a mesma ideia, aumentando a velocidade da frase e o A do sétimo compasso é uma preparação para entrar no refrão.


Your is no Disgrace


Esta música pertence ao “Yes Álbum”. O trecho transcrito corresponde a parte da segunda voz e ocorre por volta de 1:31. A construção da linha é muito próxima ao walking bass de Jazz. No primeiro compasso Squire faz a escala de D maior descendente até chegar na terça do acorde de E (G#), neste acorde ele usa a pentatônica assim como no próximo acorde, uma ideia bastante interessante ocorre no final deste compasso, quando ele antecipa a fundamental do próximo acorde (C).


Um abraços e até a próxima semana!

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Revista Bass Player - Edição 36 - A linguagem multicolorida do Blues!


Olá pessoal!

A edição 36 da revista Bass Player Brasil já está nas bancas!

Eu tive o prazer de fazer a matéria de capa ao lado de Zuzo Moussawer falando sobre este maravilhoso estilo.
Também fiz a coluna sobre Contrabaixo de 6 cordas, na qual eu exploro arpejos relacionados a este instrumento.




Aqui segue o link para o vídeo de apoio para a matéria de Blues!


Abraços e até a próxima!

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Slap 04

Olá pessoal!

Nesta semana continuaremos a coluna de Slap, trabalhando agora com as notas abafadas seguindo as mesmas ideias que os exercícios anteriores. Os abafados são representados com a letra “X” e são feitos pressionando levemente a mão esquerda sobre as notas, de maneira que soe um som percussivo.

Exercício 1


Neste primeiro exercício temos os abafados com o Thumb em semínimas nas cordas Mi, Lá e Ré.


Exercício 2


Neste exercício temos os abafados com o Thumb e o Pop tocados em colcheia e seguindo a mesma ideia dos exercícios anteriores.


Exercício 3


Agora temos uma variação dos abafados criando uma sonoridade bem interessante.


Exercício 4


Neste exercício temos uma sequencia utilizando a escala maior como apoio, após as próximas colunas seria interessante tocar as notas com ligados e slides.


Esta sequência pode ser praticada em cima da música “Allright” do Jamiroquai, apesar de a harmonia ser um pouco diferente as tônicas tocadas são iguais.

 Vídeo aula


Façam os exercícios buscando uma sonoridade limpa e precisa, utilize sempre o metrônomo.

Abraços e até a próxima coluna!