segunda-feira, 24 de março de 2014

Profissão: Músico Parte 1 - TRABALHO

Olá pessoal!
Muitos alunos tem me perguntado a respeito do trabalho com música. Este é um assunto que rende muitas e muitas horas de conversa e é difícil chegar a uma espécie de fórmula a respeito disto e penso sinceramente que o primeiro passo ou o grande "x" da questão é você pensar o seu trabalho como músico, assim como qualquer trabalhador comum pensa o seu trabalho. Sim, acho que muitas pessoas acabam desistindo do sonho de trabalhar com música, pois ao tentar entrar neste mercado coloca o glamour, a vontade de se sentir especial e muitas outras coisas tão peculiares dos artistas em primeiro lugar.
O que infelizmente muitos acabam não entendendo é que a partir do momento que você é pago por algo, você precisa TRABALHAR para fazer jus ao dinheiro que ganhou. Muitas pessoas acham que além do dinheiro que o contratante paga ele é obrigado a dizer coisas para massagear o seu ego. Vamos pensar em um funcionário de uma empresa: -Será que todas as vezes que ele fizer uma documentação ou um trabalho certo o seu chefe além de remunerá-lo é obrigado a dizer o quanto ele é bom, que ele é o melhor, o mais talentoso e blá, blá, blá... A resposta é NÃO.
Um outro problema são os caras que esquecem da remuneração pelo simples fato de aparecer em algum lugar, mais uma vez o "EU" atrapalhando o seu trabalho, certo?
Então para resumir este começo de conversa, a primeira coisa que você deve ter em mente é trabalhar e exigir que seja remunerado de maneira correta por isso. Sim, todo o trabalhador tem direito a uma remuneração condizente com o serviço executado.
Cobre e melhore o seu serviço e a sua remuneração com o passar do tempo, nenhum trabalhador começa no topo, ele sempre vem de baixo trabalhando e conquistando o seu espaço com muita dedicação, honestidade e amor pelo que faz.
Na próxima vou colocar alguns segmentos do trabalho com música.
Abraços e até a próxima!

2 comentários:

Ronaldo Dias disse...

Pois é: grande dilema e sábias palavras!

Ronaldo Dias disse...

Pois é: grande dilema e sábias palavras!