quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Um ótimo 2012

Olá pessoal!
Após um ano de muitas matérias o blog e o site saem de férias durante 15 dias.
A partir do dia 10 de janeiro será iniciado mais um grupo de matérias e as publicações passarão a ser postadas nas terças e sextas no site e nas quartas e sábados no blog, ou seja, duas novas matérias por semana.
Na primeira semana sairá uma matéria sobre o contrabaixo no Rock n Roll e um review sobre um álbum clássico.
Na segunda semana sairá mais um grupo de bass clinics inéditas e transcrições para aqueles que são cadastrados no site.
Na terceira semana sairá um grupo de matérias sobre como tocar Jazz, desde os fundamentos até a improvisação e atendendo a pedidos, matérias sobre noções elementares de musica.
Na quarta semana a continuação das matérias de Two hands e Slap e matérias exclusivas para os meus alunos do meu curso "Contrabaixo Essencial" que estudam comigo em Guarulhos, Itaquaquecetuba e no Em&t Morumbi.
Espero que todos possam usufruir das matérias e continuar evoluindo no seu instrumento.
Abraços e um ótimo 2012 para todos!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Estudo 10 - Tétrades - Parte 2

Olá Pessoal!
Nesta coluna encerramos um ciclo de 12 colunas que tiveram como objetivo principal fornecer elementos rítmicos e harmônicos para todos os estudantes de Contrabaixo, alguns exercícios foram bem simples de se executar, mas este era o principal objetivo da coluna, um embasamento completo para o Contrabaixista.
Se você começou a estudar a coluna a partir de algum estudo posterior tente retornar aos anteriores pois a coluna segue uma ordem cronológica e vai inserindo os assuntos gradativamente, se você é professor de Contrabaixo, tente utilizar exercícios similares na sua aula para fazer com que o aluno tenha uma estrutura musical sólida.
Nesta última coluna utilizaremos as tétrades aplicadas sobre dois estilos bem legais para se estudar, o Blues e o Jazz, é só uma ideia inicial, tente desenvolve-las e criar outras levadas para estes estilos.


Um abraço pessoal e estudem muito, pois só o estudo vai te levar a novos níveis musicais e intelectuais, mas nunca se esqueça do principal... divirtam-se sempre e em todos os momentos da vida, até mais com uma nova coluna e novos estudos!

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Queen - We Are The Champions

Olá pessoal!
Nesta semana temos o vídeo da música We are the Champions da banda Queen.
Aqui está o link do vídeo


Aqui está o link da transcrição


Bons estudos e até a próxima semana!

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Traveling Without a Moving - Jamiroquai

Olá pessoal!
Nesta semana o vídeo da musica Traveling Without a Moving da banda Jamiroquai.
Aqui está o link do vídeo


Aqui está o link da transcrição


Bons estudos e até a próxima semana!

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Genesis - Foxtrot

Genesis - Foxtrot


Este trecho corresponde à base de voz (2’19”), e é executado sobre a fórmula de compasso 6/4. O interessante neste compasso é que ele não é dividido em dois tempos fortes a cada três tempos como normalmente é feita a contagem nestes compassos e sim em um compasso de quatro mais um de dois tempos. Cuidado com a parte rítmica que deve ser feita com algumas notas em staccato. A frase foi construída com a quinta e a oitava do acorde.


Esta parte ocorre por volta de 1’04” e corresponde a base do refrão da musica. Usou a escala de Dó menor dórico nos dois primeiros compassos e a escala Pentatonica de Si bemol para o terceiro compasso. No quarto compasso são tocadas as tônicas de cada acorde no contratempo.


Esta base corresponde ao solo de piano que acontece durante o interlúdio da musica (1’43”), e o baixo faz um pequeno solo neste trecho. No primeiro e no terceiro compassos o baixista trabalhou sobre a tríade do acorde. No segundo e no quarto compassos a frase foi construída sobre a pentatônica de Mi Maior. O Quinto compasso foi feito sobre a Pentatônica de Ré Maior e o Sexto sobre a escala menor de Si.


Esta frase corresponde à introdução da musica. Nos três primeiros compassos foi usada somente a Tonica do acorde e a partir do quarto compasso o baixista usa a escala de Lá maior para construir a frase. Nos compassos 6, 7 e 8 o baixista utilizou a Tonica do acorde e a partir do 9º compasso à escala de Fá# menor.


Este trecho corresponde à base de voz da musica e é repetido varias vezes durante a música, ele foi construído sobre a pentatônica de Lá menor, e utiliza a célula rítmica de tercina como base.


Durante a maior parte desta musica o baixista toca violão e os baixos são feitos através do pedal moog, então em grande arte da musica o baixista utiliza apenas a Tonica do acorde. Na sexta parte da musica chamada “Apocalipse in 9/8” a frase principal para a base da voz e para o solo de teclado é feito sobre a fórmula de compasso citada no titulo do trecho (9/8). Neste trecho (16’15”) a maior dificuldade apresentada esta na parte rítmica, já que a frase tem uma rítmica bastante incomum.

Abraços e até a próxima coluna!

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Lugar de Baixo é na Cozinha

A principal característica da cozinha deste estilo é a precisão. Bateria e Contrabaixo andam juntos ritmicamente dando suporte as frases de guitarras e teclados, sendo que neste estilo, são freqüentes as mudanças na fórmula de compasso e muitas frases em suas levadas. Apesar de existirem varias bandas influentes neste estilo, a cozinha tem características bem variadas dependendo dos músicos ou da banda. O baixista trabalha geralmente criando uma linha em contraponto com a melodia, ou ainda criando uma linha fixa sobre a harmonia, deixando a cargo dos outros instrumentos a parte harmônica da musica. Quanto às frases os baixistas utilizam muitas escalas para criar suas linhas cheias de variações, dando sempre preferência para a escala maior, a menor relativa e a Pentatonica, ainda é bem freqüente o uso de acordes, arpejos e outros elementos muito bem explorados pelos representantes do nosso instrumento.
Os bateristas encaixam a parte rítmica nas frases do contrabaixo ou na melodia da musica, utilizando sempre uma linha mais simples como base e criando algumas variações em cima dela. È importante salientar que os bateristas deste estilo quando aparecem os compassos alternados fazem à levada conforme o tema e não simplesmente quebrando o tempo como é feito em outros estilos. O Rock Progressivo é um dos estilos mais complexos para se tocar, compor ou entender. É necessária muita aplicação do musico tanto na parte harmônica quanto na parte rítmica, aconselho a estudar algum livro que trata de compassos alternados e o mais importante de tudo é ouvir as bandas que fizeram deste estilo um dos mais fascinantes de se tocar.

Long Distance Runaround

Esta musica tem em minha opinião a “cozinha” mais fantástica do Rock Progressivo, ela conta com o Baixista Chris Squire e o Baterista Bill Bruford e foi lançada no Álbum “Fragile” de 1972, realmente o trabalho feito pelos dois músicos neste álbum e particularmente nesta musica é extraordinário. O trecho transcrito corresponde à introdução da musica que retorna mais tarde no interlúdio, o tema da introdução é feito pela guitarra e pelo teclado enquanto o Baixo e a Bateria cuidam da levada feita sobre a célula rítmica de colcheia, neste trecho não há mudanças na fórmula de compasso, mas a acentuação é feita sempre no contratempo do compasso anterior. Vale prestar atenção a forma musical deste trecho que é feito em nove compassos, o que não é muito comum visto que isto sempre é feito em compassos múltiplos de quatro, isto ocorre porque nos três últimos compassos a “cozinha” do Yes usa uma de suas principais característica, que são as notas pontuadas (neste caso a semínima), que faz com que tenhamos a sensação de rallentando no final, é muito interessante este recurso que Chris Squire e Bill Bruford faziam com extrema precisão. A linha de Baixo foi construída sobre a escala de Dó Mixolídio, sendo que o Fá sustenido que aparece na linha é uma blue-note, no final são utilizadas as tônicas dos acordes correspondentes. Já a linha de bateria foi feita utilizando semínimas na condução, atente para o uso de caixas e bumbos feitos nos contratempos, o baterista Bill Bruford faz isto com muita freqüência em suas linhas de bateria e causa uma estranha sensação de que esta tocando “fora do tempo”, mãos a obra e estudem bastante este trecho.


Spirit Of The Radio

Esta talvez seja a “cozinha” mais famosa do Rock Progressivo, estamos falando do Baixista Geddy Lee e do Baterista Neil Peart, dotados de uma técnica impressionante os músicos constroem linhas marcantes e complexas. O trecho transcrito corresponde à introdução da musica The Spirit of Radio que está presente no álbum “Permanent Waves” de 1980, onde os músicos construíram uma linha cheia de frases de difícil execução e utilização de varias fórmulas de compasso, preste atenção na parte rítmica deste trecho, em minha opinião é a parte mais difícil de entender. Foram utilizadas semicolcheias e tercinas de semicolcheia que correspondem a seis notas dentro de um tempo. O baixista Geddy Lee utiliza a escala de Ré maior pra construir sua linha, cuidado com a duração das notas, elas devem ser tocadas e ter o som cortado respeitando o valor escrito. O baterista Neil Peart utiliza quase todas as peças da bateria durante a execução desta parte, ele faz as frases distribuindo as notas em sua bateria já que nesta parte da musica ele não esta fazendo nenhuma levada. Procure estudar este trecho com muita paciência, pois é muito complexo e de difícil execução, procure limpar as notas e tocar junto com um baterista, quando estiver na velocidade da musica as notas tem que estar limpas e precisas, cuidado pra não ocorrer nenhuma nota adiantada ou atrasada e não perca a pegada, lembre-se a principal característica deste estilo é a precisão.


Abraços e até a próxima coluna!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

"Apelo de um estudante de música" por Jamey Aebersold

1. Ensina-me a colocar os dedos em meu instrumento
2. Ensina-me a produzir um belo som
3. Ensina-me a ler música
4. Ensina-me a tocar afinado
5. Ensina-me a ouvir música e discernir
6. Ensina-me a praticar
7. Ensina-me como ouvir e como apreciar música
8. Ensina-me a tocar com outros
9. Ensina-me teoria, harmonia e composição
10. Ensina-me a usar minha imaginação e a desenvolver a minha criatividade

Mas acima de tudo, não se esqueça de me ensinar a
TOCAR MINHA PRÓPRIA MÚSICA

Jamey Aebersold

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Yes - Tales from Topographic Oceans

Bass Clinic
Tales from Topographic Oceans - Yes

The Revealing Science of God exemplo 1

Este trecho corresponde à base da voz e é repetido durante a primeira parte da musica. E ocorre por volta de 3’05. Reparem que no primeiro tempo existe uma pequena variação da frase, tirem como base para os outros trechos a linha do segundo compasso. A escala escolhida para construir esta frase é a pentatônica, atente para o slide no segundo tempo. Este trecho requer muita velocidade do musico, pois, trabalha com sextinas e fusas.


The Revealing Science of God exemplo 2

Este trecho se inicia aos 7’02” e corresponde à segunda base de voz, ele foi construído com os intervalos de Tonica, Quarta e Quinta dos respectivos acordes, para um melhor entendimento divida a frase a cada 1 tempo e meio, perceba que ela começa no primeiro tempo e depois se repete a partir do contratempo do segundo tempo, durante este álbum Chris Squire utiliza este tipo de pensamento para construir diversas linhas, sendo que estes “deslocamentos” de tempo é uma de suas principais características.


The Remembering exemplo 1

Estes acordes correspondem a toda a introdução da musica. O baixo vem tocando as tônicas correspondentes e somente neste trecho (2’00”) inicia-se uma linha com frases no Baixo. Sobre o primeiro acorde (Dm) Chris Squire utiliza a tríade em cada tempo, com a quarta como uma appoggiatura para a quinta do acorde, no segundo compasso é utilizada a escala Mi menor, no terceiro compasso o baixista repete a idéia do primeiro compasso só que substitui a appoggiatura por um slide entre as notas (Sol e Lá), no quarto compasso é usada a tríade de Mi menor para construir a frase.


The Remembering exemplo 2

Este trecho é a base para um pequeno solo de steel-guitar. O baixista utilizou a Tonica, a Quinta e a Oitava para construir o acorde deste trecho. A dificuldade neste é que o baixista varia a quantidade de notas da frase e a primeira nota da frase é deslocada da cabeça do compasso. Este trecho ocorre por volta de 10’19.


The Ancient exemplo 1

Este trecho corresponde à introdução do solo de teclado e ocorre por volta de 4’33”. Somente a Tonica e a Oitava acima são usadas para construir a frase, a dificuldade é que a nota mais grave sempre acentua com o bumbo e ela é feita aleatoriamente, no exemplo o baixista acentuou no primeiro e no quarto tempos, no segundo compasso acentuou no segundo tempo, no terceiro compasso o acento aparece no primeiro tempo, e no quarto volta a ser acentuado no segundo tempo.


The Ancient exemplo 2
Este trecho ocorre por volta de 7’02” e é um dueto feito por todos os instrumentos utilizando contrapontos. O compasso esta em 7/4 e é pouco usual, o baixista toca todas as notas em staccato e utiliza a escala de Ré Maior como base, também é usada uma sétima menor (Dó) como blue note neste trecho, esta nota aparece para completar o cromatismo.


Ritual exemplo 1

Este trecho corresponde a uma pequena parte da introdução e inicia-se por volta de 2’12”. O baixista criou a frase em cima da escala mixolídio de Ré maior, a nota mais enfatizada neste trecho é a nota Lá que corresponde ao intervalo de quinta do acorde, a dificuldade esta na variação rítmica utilizada pelo baixista nas repetições da frase. Quando a musica vai para Dó maior o baixista segue o mesmo conceito para construir a frase.


Ritual exemplo 2

Este trecho ocorre por volta de 8’28” entre duas bases de voz. O baixista aproveita este pequeno interlúdio para fazer um solo de Contrabaixo, utilizando muitos slides na execução. São dois acordes por compasso, mas foi utilizado somente o segundo acorde como referencia para a construção da frase. A pentatônica relativa a cada um destes acordes que é a escala utilizada para construir as frases.


É isso aí Pessoal, bons estudos e até a próxima!

sexta-feira, 25 de março de 2011

Playbacks dos Estudos Anteriores

Olá Pessoal!
Aqui estão os links com os playbacks dos estudos que faltaram

Playback Estudo 2 - G Am
07. Track 7.mp3

Playback Estudo 3 - Base 1 - Am Dm G C
11. Track 11.mp3

Playback Estudo 3 - Base 2 - Am F C G
15. Track 15.mp3

Abraços e até a próxima!

segunda-feira, 21 de março de 2011

Stick Men no Brasil com Tony Levin, Markus Reuter e Pat Mastelotto

Olá pessoal!
Estou aqui para comentar sobre o show do dia 20/03/11 do Stick Men com o grande Tony Levin, não tenho o costume de fazer comentários sobre shows até porque não sou jornalista neh rsrsrs, mas acho que vale pelo registro de ter assistido um dos maiores ídolos da minha vida, o sr. Tony Levin.

Bom os caras tocaram muito bem, o Markus Reuter é realmente um grande musico e nas musicas do Crimson fazia as linhas do Bellew e do Fripp utilizando Tapping o tempo inteiro e com timbres matadores, o Pat Mastelotto é realmente um baterista que dispensa comentários, usou a bateria acustica e a eletrônica, soltou os samplers, simulou vários efeitos e ainda usou um dinossauro de borracha?!?! (Sim usou sim um dino) rsrsrs para fazer percussão. Bom o sr. Tony Levin é realmente um absurdo quando o assunto é o Stick, musicalidade matadora, timbres de extremo bom gosto e muito virtuosismo, as musicas que tiveram grande destaque em minha modesta opinião foram obviamente as do KC, mais a Breathless da carreira solo do Fripp e do Stick Men a Slow Glide, Crack, Relentless e a divertídissima Soup
Abaixo segue o set list do show

01. Smudge – Stick Men
02. Vroom Vroom – King Crimson
03. Speed Bump – Stick Men
04. Slow Glide – Stick Men
05. Red – King Crimson
06. Breathless – Robert Fripp
07. Crack – Stick Men
08. Industry – King Crimson
09. Soup – Stick Men
10. The Firebird Suíte [Part 1, 2, 3 & 4] – Igor Stravinsky/Stick Men

Encore 1:
11. Indiscipline – King Crimson
12. Relentless – Stick Men

Encore 2:
12. Elephant Talk – King Crimson

Aqui segue um link com as informações do mestre Fabio Zaganin com o equipamento usado por Levin no Show os set lists dos dois dias e algumas fotos
http://fabiozaganin.wordpress.com/2011/03/20/stick-men-sao-paulo-19-20-de-marco-de-2011/
E abaixo algumas fotos que tirei, o show tava tão matador que nem lembrei de tirar fotos rsrsrs
http://www.facebook.com/home.php#!/album.php?fbid=1310206212767&id=1758987630&aid=43004
Abraços a todos e quem tiver oportunidade de assistir, assista pois vale a pena heim

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Estudos de Levadas - Estudo 1 - Estudos Ritmicos

Olá Pessoal!
Durante anos trabalhando como professor, músico integrante de bandas e sideman, comecei a notar que muitos baixistas conheciam diversos assuntos relacionados ao instrumento, mas infelizmente não conheciam o conceito básico para um contrabaixista que é criar uma levada (Groove) sólida. Alguns sofriam ainda com as divisões rítmicas e estruturação harmônica de frases, sendo que estes são elementos básicos para a criação de uma levada.
Nesta semana começarei uma coluna com exercícios simples para poder solucionar estes problemas.
A coluna será feita uma vez por mês, primeiro com exercícios rítmicos para aprofundar o conhecimento das divisões rítmicas e depois com os elementos harmônicos.
Todos os exemplos utilizam a fórmula de compasso 4/4. Esta é a forma mais usada na música popular, nesta fórmula a semibreve vale quatro tempos, a mínima metade da semibreve (2 tempos), a semínima vale metade da mínima (1 tempo) e assim segue. Cuidado com os valores das notas, procure um professor para te explicar melhor e passar alguns exercícios mais aprofundados de compasso. Um problema muito comum, é que o aluno passa a pensar que estes são os valores fixos destas notas sendo que não são. Estes valores são variáveis obedecendo à fórmula de compasso indicada, conforme você muda a fórmula estes valores podem sofrer alterações, o que nós temos é uma relação, a semibreve vale o dobro da mínima que por sua vez vale o dobro da semínima e etc.
Estudo 1 – Estudos Rítmicos
Aqui temos um estudo de cordas soltas no compasso de 4/4, primeiro utilizando a semibreve (duração de 4 tempos), depois a mínima (duração de 2 tempos), a semínima (duração de 1 tempo) e por último a colcheia (duração de ½ tempo).
Página 1


Página 2




Estudem com o metrônomo ou a bateria eletrônica. Toque a nota e não corte o seu som até completar a duração do seu valor. Comece com o metrônomo em 60, suba de quatro em quatro a velocidade sempre que se sentir confortável na velocidade que você está estudando.

Aqui estão os exercícios em pdf



E aqui o link para o Playback em 100 bpm
03. Track 3.mp3
Para os alunos este exercício utiliza os playbacks de 1 a 4

Divirtam-se e até a próxima coluna.