segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Bass Clinic Chris Squire

Olá Pessoal!
Nesta semana temos no blog uma matéria especial sobre Chris Squire.

Chris Squire




Christopher Russell Edward Squire, (Londres, 4 de março de 1948) é um músico famoso por seu trabalho como baixista da banda de rock progressivo Yes, da qual é co-fundador e único membro constante. Dono de uma técnica de palheta precisa e um timbre inconfundível, Chris Squire impressiona também pelo uso de notas síncopadas, frases muito rápidas e linhas matadoras sobre compassos alternados. Outra característica do baixista são as frases que criam uma espécie de contraponto com os outros instrumentos. É muito interessante estudar não só a parte motora das linhas, mas também a relação com o que os outros instrumentos estão fazendo.
Durante a década de 80 o som do Yes mudou muito, e isso se deve em grande parte ao fato de Chris Squire adaptar as suas linhas de Baixo a um som mais voltado para o Pop, mesmo assim podemos encontrar algumas linhas complexas para este estilo de musica. Hoje em dia o Baixista alterna os momentos virtuoses da década de 70 com o Pop dos anos 80.

And You and I

Música do álbum “Close To The Edge”. Este é um pequeno dueto de Baixo e teclado que ocorre por volta de 1:26, ele esta na tonalidade de Ré maior. Existe um segundo baixo gravado neste trecho que fica tocando a nota Ré, por isso os acordes tem sempre a nota Ré no baixo.



Close To The Edge


Esta é uma suíte de quatro partes e quase vinte minutos cheia de frases “encrencadas”, mas o trecho escolhido é uma parte que ocorre por volta de 6:44, e é feita sobre duas fórmulas de compasso diferentes. A parte harmônica é bem simples já que são usadas tônicas dos acordes nos compassos 1, 2, 5 e 6, e frases são feitas sobre a pentatônica de Lá menor nos compassos 3, 4, 7 e 8, o interessante aqui é a parte rítmica muito bem diversificada e muito rápida, sendo necessário um conhecimento maior de leitura musical e também uma execução mais precisa.



Heart of the Sunrise


Música do álbum “Fragile”. Apesar da introdução matadora e todas as outras partes de extremo virtuosismo desta musica, o que mais chama a atenção é a base de voz, uma linha de Baixo de extremo bom gosto. Ela ocorre por volta de 4:11 e se repete depois sempre uma oitava abaixo. No primeiro acorde temos uma tríade descendente de “Bbm” no segundo ele sobe a escala Pentatônica do acorde (Eb) a partir da Terça menor, nos três próximos compassos ele abre com um ligado e finaliza na fundamental (C, Bb e Ab respectivamente), a passagem para o quinto compasso é feita pela tríade (Bb), e a linha é finalizada em Ab.


Into The Lens


Esta música pertence ao álbum “Drama”. Este é um dos álbuns mais fantásticos da banda no que diz respeito ao Contrabaixo, já que existem linhas complexas e cheias de virtuosismo. O trecho escolhido é uma ponte que ocorre por volta de 4:08, é necessário aqui uma técnica de mão direita muito boa para se executar os compassos em semicolcheia. São usadas as tônicas dos acordes para a construção da linha e a Pentatônica de Dó menor para a frase no final do trecho.



I’ve Seen All Good People


Esta música pertencente ao “Yes Álbum”. O exemplo faz parte do segundo trecho da música chamado All Good People e se inicia em 3:32. A frase se repete todas as vezes que não tem voz, e foi criada sobre dois acordes A e B, não é de difícil execução, mas o Baixista com exceção do primeiro compasso sempre começa a frase no contratempo, dando uma sonoridade bem interessante para a frase. A escala utilizada para a construção deste trecho é a escala mixolídio para os dois acordes.



Leave It


Esta música pertence ao álbum “90125”, da década de 80. Apesar de Squire ter mudado sua forma de tocar neste álbum trabalhando mais com o groove, vemos neste trecho um pouco de sua característica, as notas em contratempo e que não seguem somente a fundamental do acorde. A frase abre no contratempo e é usada a sétima de Dó (Bb), indo para a terça de Fá (A), depois temos a escala de Dó maior e a sétima de Ré menor (Dó) para fechar o primeiro compasso, no segundo compasso é usada à nota Dó que dura dois acordes (C e F), a frase é finalizada na quinta (Sol) do último acorde que é C7, no terceiro e quarto compassos o Baixista repete a ideia, mudando apenas alguns intervalos.



Owner of a lonely heart


Esta é a música mais conhecida do Yes, onde o baixista mudou totalmente a sua característica de construção de frases. Neste trecho que corresponde à introdução, mas é utilizado em toda a base da música com exceção da ponte, o baixista toca as tônicas dos acordes. A frase contém alguns contratempos, mas sem muitas dificuldades de se executar, eu transcrevi no final uma frase que só é tocada na introdução em sextinas, e que é dobrada com a guitarra e o teclado.



Parallels


Esta música deveria ter saído no primeiro álbum solo do Baixista, mas acabou entrando no Álbum “Going For The One”. O trecho escolhido ocorre por volta de 3:14 e funciona como um refrão da musica. Repare que a harmonia é bem simples (Em, D e C), mas o Baixista conseguiu criar uma sonoridade interessante para o trecho com seus arpejos e notas no contratempo. Note que as acentuações dos acordes são antecipadas, e aparece um acorde que não pertence a tonalidade de Mi Menor que é o Si bemol.



Bons estudos e até a próxima semana!

2 comentários:

Lucas disse...

grande post, eu voltei a estudar baixo devido a esse seu excelente blog, hehe, parabéns pelo bom gosto também e obrigado

Fernando Tavares disse...

Poxa obrigado Lucas!
Valeu todo o trabalho então, mais um baixista que voltou ao batente, muito obrigado por acompanhar o blog, toda a semana terá matéria nova