Fernando Tavares

Fernando Tavares

sábado, 30 de abril de 2022

Artigos & Resenhas - CD Preso por Querer/Ronaldo Estevam - Por Luiz Domingues




Olá pessoal!

Estamos de volta com mais uma coluna Artigos e Resenhas aqui no nosso site. Mais uma vez temos uma matéria do sensacional Luiz Domingues, ele escreveu sobre o CD Preso por Querer de Ronaldo Estevam - Por Luiz Domingues

A matéria original pode ser encontrada neste link.

Lembrando que o nosso amigo possui três blogs diferentes que estão nos links abaixo.

Um breve release do Luiz feito pelo próprio:
Sou músico e escrevo matérias para diversos Blogs. Aqui neste Blog particular, reúno minha produção geral e divulgo minhas atividades musicais. Como músico, iniciei minha carreira em 1976, tendo tocado em diversas bandas. Atualmente, estou atuando com Os Kurandeiros.

Sem mais, vamos ao texto do Luiz

CD Preso por Querer/Ronaldo Estevam - Por Luiz Domingues


Ronaldo Estevam é um artista dotado de um talento múltiplo, a se computar o fato de que ele se mostra super competente em inúmeras frentes. Mais do que isso, impressiona o fato dele ser prolífico artisticamente, pois não para de criar uma obra atrás da outra no campo da música, seja ao lançar discos da sua carreira solo, seja através de bandas em que foi ou ainda é componente (Modelo T, Picles, Rony Barba & Mary Lou e outros trabalhos).

Entretanto, como se isso tudo não bastasse, é fato que ele se mostra versátil como um multi-instrumentista e muitos dos seus discos são inteiramente gravados apenas por ele sozinho, a tocar todos os instrumentos, cantar solo e cobrir os backing vocals, compor todas as canções, escrever as letras, arranjar e produzir os seus discos, ou seja, ele demonstra conter talento por todos os poros.

Ronaldo mantém uma gravadora própria e cuida de todos os trâmites burocráticos a assumir a função de produtor fonográfico e também a providenciar a parte de arte e lay-out das capas dos seus discos.

Em paralelo à carreira musical, Ronaldo é ator formado, diretor de cinema e já lançou muitas peças audiovisuais muito significativas, tais como documentários, filmes curta-metragem, além de haver dirigido e atuado em uma infinidade de vídeoclips, como peças promocionais a favor das bandas em que atuou/atua e a promoverem a sua carreira solo, igualmente.

Ele também é escritor e já lançou três livros no mercado editorial (“Manual do Candidato a Pop Star”, “O Resgate da Alma” e “As Aventuras de Espigão e Pepino”), Sobre o primeiro livro citado, este já foi objeto de uma resenha da minha parte e que está disponível para a leitura através do meu Blog 1. Eis o link abaixo para que o leitor acesse:


No campo da música, a amplitude da sua criação é extensa. Ele tende a centrar a sua obra no Pop-Rock, normalmente, mas ao escutar a sua discografia como um todo, é perceptível como ele apresenta diversas influências em sua música. O Rock em diversas variantes, do Pop já citado ao som mais pesado do Rock’n’ Roll e a flertar com o Hard-Rock, da Psicodelia ao Rock Progressivo, das vertentes Indie-Rock mais modernas ao Soft-Rock que insinua o apelo pela Folk-Music, ou seja, não resta dúvida que o ecletismo de sua parte é bem grande em termos musicais. 


E ele vai além, ao abraçar a MPB oriunda de várias vertentes, da Bossa Nova tradicional ao romantismo popular de Roberto Carlos, e sim, ele também é um excelente violonista, ao ponto de ser professor e dono de escola especializada no ensino do referido instrumento (Violão & Cia, localizada em São Paulo).

Nesta resenha em específico, eu trato do seu álbum: “Preso por Querer”, recentemente lançado e a representar a sua produção solo.

Mais uma vez, Ronaldo cuidou de toda a linha de produção ao gravar todos os instrumentos e vozes, compor e arranjar as canções (há apenas um parceiro, Dudê, que assina conjuntamente a autoria da faixa: ” Homem Romântico”), em seu estúdio particular, que leva o nome da sua gravadora, Lambreta Records.

Em seu bojo, se trata de um conjunto de canções que trafegam pelo Pop-Rock mais eletrificado e igualmente a conter baladas mais emocionais, tudo com desenvoltura e assim, a audição me despertou a impressão que muitas delas poderiam tranquilamente fazerem parte de trilhas de novelas e a tocarem na programação das emissoras tradicionais de rádio, no espectro do dial FM, dado o seu apelo popular.

Criativo também para compor o lay-out das capas de seus discos, e leve-se em conta que a sua verve como ator e diretor de cinema lhe confere o apuro para caprichar na parte visual de suas obras, neste álbum em específico, Ronaldo aparece em pessoa na capa frontal estilizado como se estivesse a posar para uma foto de identificação criminal em uma delegacia norte-americana da cidade de Rochester-NY, a estabelecer conexão óbvia com o título do álbum (“Preso por Querer”) e certamente também a relembrar uma infinidade de astros que passaram por tal situação na vida real, tais como: Elvis Presley, Johnny Cash, Jerry Lee Lewis, Jim Morrison e Frank Sinatra, entre muitos outros, portanto é também por isso, uma grande intenção criativa.

Destaca-se igualmente a produção da foto em si, ao ter sido envelhecida a sua configuração e realçado pela escolha de figurino e corte de cabelo, a provocar a ideia de ter sido tal foto capturada em décadas passadas, anos 1940 ou 1950, provavelmente e, portanto, a denotar o elo com um passado igualmente romantizado.

No encarte, se observa a parcimônia no texto, sem uma ficha técnica mais pormenorizada, mas eu sou músico também e por conhecer bem os meandros da produção independente, sei exatamente o quanto encarece a produção se houver um encarte mais recheado a conter as letras das músicas na íntegra, ficha técnica pormenoriza e muitas fotos. Portanto, o encarte funcional desse disco cumpre com galhardia a função e mesmo sem um texto mais robusto, há fotos, sim, inclusive com uma boa profusão no encarte, contracapa e até no espelho que sustenta o CD na caixinha de acrílico.

Então, ante o título proposto para o disco, vem a pergunta que não quer calar: “Preso por Querer”, como assim?

Sim, o título do disco traz a sutileza proposta pelo artista, no sentido de expressar a sua determinação para defender as suas convicções de uma forma abrangente, a determinar o seu modo de vida e certamente com ênfase no quesito dos relacionamentos românticos.

Sobre o teor do álbum, eu tenho mais algumas observações a serem feitas.

Ouça abaixo a música “Preso por Querer”:


A primeira faixa do álbum, homônima, aparenta ser bastante influenciada em termos de melodia e sobretudo na temática da letra, pela "Jovem Guarda" sessentista, mas contém um arranjo bem mais pesado do que imaginar-se-ia ser possível naquela época remota da década de sessenta, logicamente e assim, se mostra como um Rock vibrante, com o devido peso a garantir o toque de contemporaneidade com o momento presente de 2021.

Há a presença de detalhes muito interessantes, como um interlúdio feito em duo por guitarras, que é curto em suas intervenções bem pontuais, mas se tornou marcante pela sua feliz resolução melódica.

No mais, a linha de bateria e baixo montou um autêntico trem que passa firme e segura a música nos trilhos com muita contundência.

Ouça abaixo a canção “A Certeza dos 16”:


Em “A Certeza dos 16”, Ronaldo fala da perspectiva de alguém que passa por tal idade, normalmente regida pela tomada de consciência de como funciona o mundo externo fora do seu quarto e a chegada da vida adulta que assusta em muitos aspectos, mas também traz uma energia incrível de quem está a se tornar adulto e deseja se tornar o comandante do seu próprio destino.

Sobre o som em si, a opção é por um Rock mais moderado, no entanto com forte apelo Pop. Destaque mais uma vez para a boa interpretação vocal e também para o solo de guitarra com senso melódico e bom timbre, bem encorpado.

Ouça abaixo a faixa: “Homem Romântico”:


“Homem Romântico” também lembra o eco sessentista da Jovem Guarda, mas a roupagem detém apelo mais recente (mas nem tanto), ao lembrar o Pop-Rock dos anos oitenta. Destaque para um solo super melódico ao sintetizador e que conduz a música ao seu final em efeito “looping”.

Ouça abaixo a música: Relembrar”:


“Relembrar” é uma música que contém uma levada de baixo e bateria muito boa. Gostei do peso do baixo, inclusive, que torna inevitável a tendência do ouvinte em desejar dançar. Se mostra muito boa a intervenção do teclado a elaborar uma linha de apoio base intermitente e isso realçou bastante a harmonia da canção. Há uma intervenção de sintetizador bastante exótica ao se pensar em música Pop em geral, mas como é sabido que o Rock Progressivo setentista faz parte das influências musicais do artista, fez sentido tal inclusão e veio muito a calhar para tornar o arranjo muito criativo.

Ouça abaixo a canção “Lira de Orpheu”:


“Lira de Orpheu” é uma balada lenta, com uma melodia muito boa. O violão segura a intenção harmônica e rítmica da canção e os demais instrumentos vão atrás na condução com a devida parcimônia.

Ouça abaixo a canção: Tóxicos”.


“Tóxicos” fala sobre as relações difíceis, um assunto que nem todo mundo gosta de abordar quando se fala de amor, portanto, gostei da coragem para trazer à tona esse viés que gera desconforto, mas precisa ser colocado na mesa de discussões, sem dúvida.

Sobre a parte musical, a opção é pelo Pop-Rock e desta vez remete mais ao som oitentista a grosso modo. É muito bom o solo de guitarra, com bastante senso melódico.

Ouça abaixo a canção: ´Fantástico Mágico”


A próxima faixa, “Fantástico Mágico” é uma balada mais amena, conduzida ao piano e a apresentar os demais instrumentos a surgirem a posteriori e assim a se imprimir ao arranjo, uma densidade muito grande.

Ronaldo trabalha com a dinâmica, ao intercalar momentos amenos com outros mais intensos e assim, a canção se mostra rica na transição entre as partes A, B e o refrão. Gostei muita da adição do órgão Hammond e do curto, porém bonito solo de guitarra. E a letra busca a reflexão mais introspectiva do homem em busca do sentido da vida.

Ouça abaixo a música: “Trágico Moderno”:


“Trágico Moderno” apresenta um som Pop a tender para o R’n’B com bom gosto, e tal peça tocaria tranquilamente em emissoras de rádio FM. Gostei da levada e arranjo geral, com o teclado discreto, baixo e bateria a buscar o balanço, guitarra base bem agradável e coadunada com o estilo. Além de mais um curto solo de guitarra, com timbre "limpo".

Escute abaixo a música: A Estrada Ia Te Trazer”:


“A Estrada Ia Te Trazer”, vem a seguir e neste caso, eu gostei do trabalho dos violões. Bateria e baixo discretos, só adornam a condução que realça o trabalho dos violões.

Há uma intensidade um pouco maior a seguir. A melodia do refrão é muito bem desenhada e o arranjo elaborado para a sobreposição com mais vozes, ficou excelente.

Ouça abaixo a música: “Sonho 9”:


“Sonho 9” é a décima faixa e tem um certo sabor Folk em sua formulação harmônica e melódica. É agradável a melodia de uma forma geral, mas aí vem uma inesperada metamorfose, com a canção a acelerar e adotar doravante uma roupagem praticamente sob a égide do Hard-Rock, inclusive com uma guitarra base pesada a ditar o ritmo, portanto, a se tratar de uma solução inusitada e certamente criativa da parte do autor.

Isso sem contar que neste caso, a temática da letra mudou o tom e buscou uma reflexão mais introspectiva a respeito da vida, a destoar do tom romântico das canções anteriores.

Eis abaixo a música: “Repressão do Medo”:


“Repressão do Medo” é um Rock vigoroso, quase no limite do Hard-Rock oitentista e o riff primordial de guitarra é muito bom. Chama a atenção igualmente que Ronaldo se adapta bem em qualquer situação no campo vocal e assim, para cantar um Rock mais incisivo, ele rasga a garganta como um vocalista de Hard-Rock, sem nenhuma cerimônia e claro, o faz bem.

Ouça abaixo a canção: “You”


“You” é cantada em inglês, como sugere o seu título e se trata de uma bela balada com sentido bluesy, a conter harmonia e melodia dotada de muito sentimento. Lembra, de certa forma, o trabalho do grupo oitentista Pop/R'n'B, "Simply Red".

Ouça abaixo a música: “Vai Acontecer”:


“Vai Acontecer” é um Pop-Rock ameno em seu início chama a atenção pelo seu bom balanço. Lembrou-me, mesmo que não tenha sido uma intenção do artista, o som noventista de bandas egressas do movimento de "Grunge" de Seattle.

Ouça abaixo o tema: “Sempre”:


Como bônus, o disco nos brinda com mais duas peças. A primeira delas é: “Sempre”, mais uma balada bem construída.

Gostei muito da base de guitarra toda arpejada com trêmulo e a intervenção de teclados e que em certos trechos evocou o som do Rock Progressivo do grupo britânico, “Genesis” pela delicadeza dessa junção harmônica e ao mesmo tempo, o som do grupo, “Marmalade”, super Pop sessentista pela indução do trêmulo bem exagerado na guitarra. E na parte mais pesada, sobressai a influência de artistas mais contemporâneos dos anos noventa para cá.

Ouça abaixo a faixa "Baixel":


“Baixel” é o último bônus a encerrar a obra. Se trata de mais uma balada mais tranquila. Gostei da mudança da parte “A” para “B”, a garantir um colorido todo especial para a música. Um bonito e bem singelo micro solo ao piano elétrico, provou que Ronaldo tem essa economia estratégica em termos de solos, não apenas para esta composição, mas em todo o disco, como um trunfo que chama a atenção, ao contrastar com uma fase em que vivemos a tropeçar em artistas obcecados pelo virtuosismo instrumental e ele aponta para o caminho inverso, sabiamente ao propor a música em primeiro lugar.

Para encerrar, eu preciso dizer que o álbum apresenta um conjunto de canções bem compostas e arranjadas, em que o fator Pop predomina na parte musical, no entanto a trazer algumas influências extras e no âmbito das letras, tende para a abordagem romântica no sentido de expressar a temática da relação homem/mulher, porém, com algumas temáticas diferentes e colocadas pontualmente.

Trata-se de uma boa produção de áudio e apresentação visual no tocante à capa/encarte, a se observar criatividade e bom gosto.

O mérito do artista em produzir, criar, arranjar e executar tudo, absolutamente sozinho, é enorme e tal prerrogativa soma muito para elevar o conceito da obra.

CD Preso por Querer - Ronaldo Estevam

Gravado no Studio Lambreta Records entre junho de 2020 e janeiro de 2021
Ronaldo Estevam: Todos os instrumentos e vozes
Produção geral: Ronaldo Estevam
Gravadora: Lambreta Records
Distribuição: Tratore
Lançamento: 2021

Para conhecer melhor o trabalho do artista, em meio à sua enorme discografia, mediante bandas autorais e carreira solo, livros lançados e atividade audiovisual, acesse o site:


Gravadora Lambreta Records - YouTube:


Escola Violão & Cia. Sob direção de Ronaldo Estevam:


É isso aí pessoal!
Espero que tenham gostado de mais uma matéria do sensacional Luiz Domingues.
Um abraço e até a próxima coluna! 

Nenhum comentário: