segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Rush - Moving Pictures


Moving Pictures é o oitavo álbum de estúdio da banda, tendo sido lançado no ano de 1981 e pode ser considerado o álbum de maior sucesso do Rush. O álbum contém linhas de baixo repleta de variações como nas linhas construída no Pop Rock dos anos 80, mas também muitas linhas complexas inspiradas no Rock Progressivo da década anterior. Neste álbum existem músicas com mudanças constantes na fórmula de compasso e alguns solos (curtos, porém muito marcantes) de baixo em quase todas as faixas.
Procurei separar um exemplo de cada musica que exemplifique bem a ideia musical de cada faixa deste extraordinário álbum.


Este trecho é referente a base do solo de Guitarra, foi construído sobre a escala de E Mixolídio e com um padrão de terças invertido, e tem uma fórmula de compasso bastante utilizada pela banda (7/8), reparem que a primeira frase (os três primeiros tempos do compasso) se repetem novamente com pequenas variações rítmicas. O segundo e terceiro compassos são repetições do primeiro. No quarto compasso a frase é cortada para entrar a convenção do quinto compasso, por isso a fórmula pouco usual (7/16 e 3/8) nestes dois compassos. O trecho ocorre por volta de 1:58 e tempo é de 92bpm.


Este trecho ocorre por volta de 1:59 e é referente a base da voz. Este exemplo contém uma característica bem marcante do baixista. Ele cria a linha do baixo acentuando a frase da bateria nos compassos ímpares do trecho e utiliza diferentes frases nos compassos pares, esta ideia se repete nas bases de voz, e é utilizada em outras músicas como “Spirit of Radio” do álbum anterior e “The Camera Eye” neste álbum.
Nesta faixa o acento é feito sobre o bumbo da bateria e utiliza a Fundamental do acorde nos compassos 1, 3, 5 e 7. No compasso dois a frase é construída utilizando os intervalos de quinta e oitava do acorde de A11, no compasso 4 é utilizada a F, 6 e 7 do acorde de F#m6, no sexto compasso é utilizada a F, 5, 6 e 7M da escala de Sol e no oitavo compasso a 7M, F, 2 e 6 do acorde de Dsus2.


Neste primeiro exemplo temos a linha principal da música. Ela ocorre por volta de 0:43e foi construída com a Pentatônica Menor de cada acorde (F#m e Am), este trecho é muito rápido (semicolcheia em 144 bpm) e o baixista não utiliza notas ligadas. No terceiro tempo dos compassos ímpares temos uma mínima feita sobre a quinta do acorde e um sinal de vibrato em cima da nota. A dificuldade está no fato do baixista mudar a “Blue Note” de lugar entre as frases. Reparem que no primeiro compasso a “Blue Note” é feita sobre a 7ª maior do acorde e no segundo compasso é feita sobre a 4ª aumentada.


Aqui temos exemplificados os três pequenos solos de baixo que ocorrem na música, eles são feitos intercalados com pequenos solos de bateria. Todos os solos são feitos sobre o acorde de C. No primeiro solo temos uma frase sobre o arpejo de Csus2, preparando para o solo no segundo compasso. O solo é feito utilizando a escala de C Lídio, e é finalizado com um slide descendente sobre a 3ª e a 6ª do acorde, este trecho ocorre por volta (1:41).


No segundo solo temos um arpejo sobre Csus2 novamente preparando para o solo no segundo compasso, percebam que a frase é um pouco mais complexa neste trecho e o solo é feito utilizando a escala Pentatônica de Dó com uma Blue Note (Ab) no meio da frase. Este trecho ocorre por volta (1:55).


No terceiro solo (2:09) temos um compasso preparando para o solo nos dois compassos posteriores. O solo é feito sobre a escala de C Lídio com alguns cromatismos para as notas da escala, e é finalizado com harmônicos naturais sobre o 5º e 4º trastes nos dois últimos tempos.


Este trecho refere-se a introdução da música e utiliza a fórmula de compasso 7/4 na sua construção. O trecho ocorre em 0:12 e utiliza os intervalos de 5ª e 8ª para a construção da frase sobre os acordes de B5 e A5, para o acorde de E5 o baixista utiliza a Pentatônica de E Maior para construir a frase. Este trecho reaparece varias vezes durante a faixa.


Este exemplo é referente a base da voz que inicia-se em 3:36, e foi construída sobre as notas dos dois acordes (Csus2 e F). Reparem nos sinais de acentuação do trecho que fazem com que estes compassos (6/4 e 5/4) se tornem mais difíceis de se contar.


Este trecho inicia-se em 4:13, na parte final da música e contém um pequeno solo de contrabaixo. No primeiro compasso temos a frase construída com a Pentatônica de Bb maior, no segundo compasso são tocadas as fundamentais de cada acorde e no terceiro compasso temos uma frase sobre a escala de C menor, voltando a utilizar a fundamental no quarto compasso.


Este trecho é referente a introdução e a base de voz da música. Ele foi construído sobre a escala de C menor e possui duas frases diferentes. No primeiro compasso temos um frase construída com a F, 3ª menor, 5ª justa e 6ª menor, a frase é finalizada utilizando a 3ª menor, 6ª menor e 7ª menor. No segundo compasso a frase é montada com a mesma ideia do primeiro compasso, mudando a finalização da frase para os intervalos de 5ª justa, 4ª justa e 3ª menor.

Um abraço, bons estudos e até a próxima!

Um comentário:

Rodrigo disse...

O Moving Pictures é um disco sensacional. Curti muito as análises, principalmente a da blue note do YYZ. Geddy Lee é bom demais! Valeu Fernandão